PORTUGUÊS

Carta aberta desde o estrangeiro – #AyotzinapaSomosTodos

Ayotzi_header
Vivos os levaram, vivos os queremos!

[Favor de não publicar antes do dia 22 de outubro de 2014. Favor de repassar e assinar a carta se você mora fora do México. Agradecemos a sua leitura!]


22 de Outubro de 2014.

Lic. Enrique Peña Nieto

Presidente da República

Lic. Miguel Ángel Osorio Chong

Secretário de Governo

General Salvador Cienfuegos Zepeda

Secretário de Defesa

Lic. Emílio Chuayffet Chemor

Secretário de Educação

Lic. Jesús Murillo Karam

Procurador Geral da República

Lic. Ángel Heladio Aguirre Rivero

Governador Constitucional do Estado de Guerrero

Dep. Silvano Aureoles Conejo

Presidente da Câmara de Deputados

Sen. Miguel Barbosa Huerta

Presidente do Senado

Ministro Juan N. Silva Meza

Presidente do Supremo Tribunal de Justiça

Dr. Raúl Plascencia Villanueva

Presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos

Às Mexicanas e mexicanos

Às pessoas que desde fora do México acompanham os acontecimentos violentos recentes

À opinião pública

Aos 43 estudantes de Ayotzinapa desaparecidos, aos seus familiares e colegas,

Acadêmicos mexicanos e de diversas nacionalidades, radicados no estrangeiro, unimo-nos às vozes de preocupação pela violência que impera no México. Os acontecimentos ocorridos em Iguala, Guerrero, no dia 26 de setembro de 2014, são uma das suas manifestações mais execráveis na história do país. Não há palavras para expressar o horror e a raiva que sentimos pelo assassinato de seis pessoas, dentre elas três estudantes da Escola Normal “Raúl Isidro Burgos” de Ayotzinapa (um deles executado da forma mais selvagem), e pela desaparição, às mãos do governo e da polícia local, de outros 43 estudantes.

Solidarizamo-nos com as demandas de justiça e partilhamos a dor das famílias, amigos e colegas dos estudantes de Ayotzinapa. Indigna-nos profundamente que, perante à magnitude dos eventos, o governo mexicano ofereça declarações contraditórias e apresente resultados não só nulos, como, inclusive, mais preocupantes: as irregularidades da investigação aumentam a cada dia, sem que nada se saiba respeito à apreensão dos culpáveis ou do paradeiro dos 43 estudantes e, porém, muitas outras valas tenham sido descobertas, muitos mais cadáveres. Qual é o tamanho das valas neste país? Quantos mais cabem nelas? Quantos aguardam o mesmo destino?

Até agora não se divulgaram os nomes dos presos nem as linhas de investigação. São lamentáveis a lentidão e a aparente negligência com as quais avançam as investigações. As mesmas autoridades têm obstaculizado a participação de um grupo de forenses argentinos especializados na identificação de cadáveres, e os pais dos desaparecidos têm se encargado da busca praticamente sós. Se o acontecido é por si mesmo terrível, a atitude geral dos órgãos do governo é uma afrenta ao sentido de humanidade e à inteligência de quem à distância acompanha os fatos. Indigna-nos a forma como as autoridades mexicanas têm tratado esse grupo de estudantes, um dos mais vulneráveis do país.

A realidade que o México tem mostrado ao mundo é desapontadora. O caso de Iguala, junto com muitos outros acontecimentos nos últimos meses, deixa claro que não se pode falar mais de criminosos comuns, mas de uma criminalidade de representantes do governo tanto local, quanto estadual e federal, que por ação ou omissão permitiram que isto acontecesse e agora não parecem fazer o necessário para resolvê-lo e restaurar a confiança nesse mesmo governo. Não entendemos que o governador de Guerrero não tenha se demitido ainda, e que as autoridades federais concordem com esta situação. Todos sabemos que o governador estava a par da situação em Iguala – ele mesmo fez esta declaração, e afirmou que também o exército e a Procuradoria Geral da República sabiam disso. Nos perguntamos, então, quais outras situações de colusão entre o crime e o governo, que nenhum estado de direito poderia tolerar, são de conhecimento das autoridades?

Escrevemos porque o México e seu povo merece muito mais do que isso: um verdadeiro estado de direito, justiça. Nenhum governo pode se permitir cometer, ou que sejam cometidos, atos de barbárie como os acontecidos em Ayotzinapa.

Por isso, exigimos:

1. Aparição com vida dos 43 normalistas.

2. Cesse às represalias e fustigamento aos estudantes da Normal de Ayotzinapa, e aos estudantes de maneira geral.

3. Que o prefeito de Iguala ainda em licença, José Luis Abarca e sua mulher, María de los Ángeles Pineda Villa, sejam imediatamente detidos, processados, e punidos no marco da lei.

4. A demissão do Procurador Geral da República, Lic. Jesús Murillo Karam, se for comprovado que tinha conhecimento das ações ilícitas do prefeito Abara e foi omisso a esse respeito.

5. A demissão imediata de Ángel Aguirre Rivero, governador de Guerrero, como também a demissão do Lic. Iñaki Blanco Cabrera, Procurador do mesmo estado, e de todos os membros do exército que tenham sabido, ocultado ou participado destas ações.

6. Uma investigação confiável, real e transparente, com a participação de peritos e observadores internacionais, como a Equipe Argentina de Antropologia Forense.

Não pararemos nem deixaremos de insistir desta e outras formas. Continuaremos atentos aos acontecimentos e ampliando as redes de informação entre colegas, estudantes e amizades no México e no mundo inteiro. Não podemos permitir que massacres como aquela do movimento estudantil de 1968, ou a perseguição e aniquilamento de povoados camponeses como Acteal e Aguas Blancas, aconteçam de novo. Ayotzinapa atravessou um limite que não devia ter sido nunca  ultrapassado. Somamos a nossa indignação e a nossa solidariedade àquela dos estudantes normalistas mexicanos e das famílias deles.

Gostaríamos que os 43 estudantes pudessem ler esta carta também algum dia. É a eles que está dirigida, mas também a todos aqueles enterrados em valas clandestinas que não cessam de ser descobertas, àqueles que merecem muito mais do que uma carta e um protesto. Eles merecem o esforço todo deste governo e dos cidadãos dentro e fora do país. Devemos assumir a nossa responsabilidade diante desta situação inaceitável, e exigir sem descanso justiça, um verdadeiro estado de direito, uma política ao serviço e proteção da cidadania, e total transparência nas ações de funcionários e representantes da nação. Cada desaparecido e cada assassinado por criminosos militares ou policiais representam uma perda incalculável para o nosso país. Ayotzinapa nos dói muito profundamente a todas e todos aqueles que assinamos esta carta. Por eles e pela gente exigimos justiça.

Vivos os levaram, vivos os queremos!

#AyotzinapaSomosTodos

#WeAllAreAyotzinapa

#JusticeForAyotzinapa

#JusticiaAyotzinapa

#JustiçaParaAyotzinapa


Se você mora fora do México, pode se somar a este esforço coletivo assinando embaixo. Esta carta será publicada na imprensa internacional e entregue nos consulados e embaixadas do México no exterior no dia 22 de outubro.

ayotzinapasomostodos@gmail.com

Assine aqui!


Lista de assinantes:

 

Some devices may not correctly display the signature page, you can check it out here

Advertisements

One thought on “PORTUGUÊS

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s